O Brasil e as eleições.


Para quem desejou mudanças durante a passagem do ano novo, essa é uma ótima oportunidade. O ano de 2012 começou com muitas novidades para toda a população e fica a critério de cada um saber o quão positivas ou negativas essas novidades impactam em suas vidas. 

Dizem por aí que política não se discute, e não mesmo, mas se comenta. 

Este é o ano das eleições para prefeito em todos os municípios do Brasil e, como somos condicionados desde sempre, todos os cidadãos carregam a responsabilidade e a esperança até as urnas para a escolha de um novo governo em sua cidade. Mas, será que todos nós pensamos assim? Ou melhor, será que todos nós agimos como pensamos quando falamos sobre decidir o futuro onde nós depositamos a nossa possibilidade de crescimento? 

Conforme a proximidade das eleições, muitos candidatos se aliam com outros partidos visando estratégias que alcancem o êxito esperado, além de uma tentativa de fortalecer a sua imagem e credibilidade diante de nós, os cidadãos. A partir disso, podemos observar uma corrida agressiva entre os concorrentes para ver quem é que chega na frente e abocanha a primeira fatia do bolo.

Todos nós estamos acostumados com os discursos que nunca mudam, com as promessas que dificilmente acontecem. Somos persuadidos até mesmo quando não achamos que somos, seja pela televisão ou, veridicamente falando, pelas compras de votos que sabemos bem que não se extinguiram. 

Se o futuro da cidade está em nossas mãos, por que não optar por uma melhor escolha, já que a mesma irá refletir em todo o nosso reflexo do cotidiano? Por que não parar para pensar no que determinado candidato pode realmente nos oferecer? Não é pecado algum procurar as informações necessárias de cada candidato que se elege para saber, além do que ele pode oferecer em seu plano de governo, o seu histórico e ter o mínimo de certeza que escolheu aquele que mais condiz com o que você espera. 


Por isso, estejamos cientes que a partir do momento que elegemos determinado governante para nos representar, estamos elegendo-o para fazê-lo durante 4, longos, anos e, acredito sempre, que não vamos querer padecer durante todo esse tempo com o arrependimento batendo à porta por saber que poderíamos ter feito uma escolha melhor. 

Procure conhecer e saber mais de seu candidato antes de votar. Afinal, vamos combinar: 

Por mais que o voto seja obrigatório em nosso país, ele não precisa se tornar irresponsável e momentâneo, não é mesmo?



Nenhum comentário:

Postar um comentário